XX Encontro Provincial das Comunidades da Huíla

20/9/2019

Decorreu ontem quinta-feira (19) na cidade do Lubango, o XX Encontro Provincial das Comunidades.

O evento teve como objectivo partilhar experiências de boas práticas de desenvolvimento local sustentável nos domínios do fomento da economia local, mitigação dos efeitos da seca e alternativas do acesso aos serviços públicos; proporcionar momentos de debate sobre a implementação de programas públicos de desenvolvimento local.

A Vice-Governadora para o sector político e social da província da Huíla, Maria João Chipalavela enalteceu o papel da ADRA no exercício da cidadania, destacando a realização destes encontros como uma forma de participação das comunidades rurais na elaboração e execução de políticas públicas.

“Gostaríamos que este espaço fosse uma ferramenta para fortalecer o associativismo e o cooperativismo, no sentido de se resolver os problemas de terra, transformação e escoamento dos produtos agrícolas. A ADRA conhece metodologias de trabalho com as comunidades, o que fortalece as organizações comunitárias de base”. Referiu

Durante a partilha de experiências de boas práticas de desenvolvimento local, Ester Wandy representante da associação Ekwatiso Ly Kãi, que tem contribuído para a integração da mulher nas aulas de alfabetização, fez saber que o trabalho começou em 2018 e que actualmente contam com duas salas de aulas da 1ª a 6ª classe com um total de 92 alunos.

Agostinho Timóteo representante da associação dos jovens Ongongela, defende que as políticas públicas traçadas pelo o Executivo devem ser traduzidas de forma clara para que as comunidades também possam perceber e participar de forma activa.

Na sua intervenção, Manuel Deweda, representante da associação do Chivulo, disse que a Direcção da Agricultura, Florestas, Pescas e Pecuária, deve ter créditos simplificados que atendam as reais necessidades dos camponeses porque “as exigências do Programa de Apoio ao Crédito infelizmente nós como camponeses não nos revemos nelas”.

Já Frederico Muafeca, membro do Conselho Directivo da ADRA, referiu que nas localidades onde a ADRA trabalha se tem vindo a registar melhorias na relação entre as comunidades e as instituições do Estado. Acrescentou ainda que “apesar da seca ser um fenómeno cíclico, as experiências de desenvolvimento local sustentável como é o caso das localidades do município dos Gambos, demonstram que podemos criar condições do acesso a água, sementes resistentes á seca e stocks de alimentos para conviver com a seca”.

Download PDF

Partilha

1
FACEBOOK
2
TWITTER
3
YOUTUBE