DSC_0158Decorreu na Sala de Conferências do Ministério da Agricultura em Luanda, a IV Conferência Nacional sobre Género e Desenvolvimento com o Tema, a Participação e o Contributo da Mulher no Processo de Descentralização e Autarquias em Angola.
A Conferência teve como objetivos: contribuir para os processos de desenvolvimento sustentável através do fortalecimento da consciência social de género e da participação das mulheres no processo de desenvolvimento e em particular no processo de descentralização e autarquias.
A sessão de abertura foi proferida pelo Director Geral da ADRA Belarmino Jelembi, que destacou dentre outros aspectos a necessidade do aprofundamento do processo de descentralização, enquanto estratégia que pode tornar mais efectivos os impactos das políticas públicas ao nível local, bem como melhorar a redistribuição da riqueza e das oportunidades ao nível nacional. Informou igualmente que a ADRA vem desenvolvendo ao nível nacional um amplo programa de capacitação, formação de quadros, assim como a realização de mesas redondas inclusivas que são essenciais para partilha de informação.
Durante a conferência debateram-se três temas, designadamente:
1. O tema sobre o processo de descentralização em Angola, lições e desafios;
2. O processo de institucionalização das autarquias e os desafios para a participação dos cidadãos e cidadãs, bem como
3. A participação da mulher na governação local, auscultando a experiência da administradora Municipal Adjunta do Município do Balombo, Província de Benguela.
Tomaram parte do encontro membros representantes das instituições públicas e organizações locais das províncias de Malanje, município de Cacuso e Comuna do Lombe, província da Huíla município da Humpata, Província do Huambo, município do Bailundo, província de Benguela, municípios do Balombo e Ganga e Província de Luanda, municípios do Cazenga, Kilamba-kiaxi, e Sambizanga. Tomaram parte igualmente, representantes de diversas organizações da sociedade civil ao nível central, representantes de agências de doadores e agências das Nações Unidas, bem como deputadas à Assembleia Nacional, num total de 147 participantes dos quias 97 mulheres.