Após a guerra civil em Angola, que terminou em 2002, a população rural estava numa situação catastrófica. A ADRA como sendo uma organização parceira da Afrikagrupperna, começou a constituir um fundo de micro-crédito para dar oportunidades às pessoas de satisfazer as necessidades básicas. No inicio, o fundo foi principalmente para a compra de gado e galinhas que foram multiplicadas e distribuídas entre as famílias nas diferentes associações. A ADRA percebeu rapidamente que os membros precisavam expandir as suas áreas de produção. Quando o tempo de calamidade passou, a ADRA queria continuar com mais projectos de desenvolvimento e decidiu criar um outro tipo de micro-crédito.

Evaristo Venâncio, da aldeia Kino em Angola, é um dos que se beneficiaram dos micro-créditos. Em 2011, Evaristo fez um empréstimo à ADRA. Com o dinheiro, ele abriu uma pequena loja de conveniências em sua aldeia e conseguiu criar um negócio bem-sucedido. Evaristo compra os produtos em duas cidades vizinhas, Malanje e Uíge. Ele prefere Uíge pelo facto do transporte ser mais barato. No futuro, ele gostaria de possuir um transporte próprio.

Com os lucros do negócio, Evaristo conseguiu comprar uma moageira para moer mandioca e transforma-la em farinha. A moageira é uma invenção local de uma aldeia vizinha. Com a moageira, Evaristo produz e vende farinha de mandioca, que é um dos produtos básicos das zonas rurais em Angola.
Evaristo é casado e tem quatro filhos. Com os lucros da loja ele também conseguiu construir uma nova casa para a família. Ele já pagou de volta uma grande parte do empréstimo. Além do negócio, Evaristo também trabalha com alfabetização e dá aulas gratuitas às mulheres mais velhas na aldeia.